Sucessor, você é líder?

Muitos empreendedores e empreendedoras já têm uma liderança natural, visão de mercado, competência e geralmente são muito carismáticos.

Substituir pessoas assim não é fácil para os sucessores e sucessoras.

Eles são comparados a todo o momento com os pais e mesmo que os funcionários não verbalizem, é possível que em algumas situações  eles tenham a percepção de que os sucessores possam ser pessoas sem as qualidades de sucesso dos fundadores.

As pessoas não nascem prontas, vão evoluindo com o tempo pelas experiências que passam, pelos conhecimentos que recebem, pela educação das famílias e por orientações de pessoas mais seniores em determinadas situações.

Em termos teóricos todas as pessoas podem se desenvolver e se transformarem em líderes, mas o grau de sucesso de cada um dependerá de aspectos pessoais e oportunidades nas vidas social e profissional.

Percebo que algumas pessoas têm maior ou menor facilidade para serem líderes, então o impacto do desenvolvimento não será uniforme em todas as pessoas.

Os herdeiros ainda na fase de funcionários devem conquistar o respeito dos outros funcionários. Pode ser vindo com uma carreira de sucesso obtida em outra empresa ou por ter construído uma carreira na empresa da família de maneira profissional, sem privilégios, com respeito as regras, sendo modelo para os funcionários, não se utilizar da influência dos pais para conseguir tratamentos diferenciados na empresa, não achar que pode mandar em tudo, com resultados concretos no trabalho, humildade e alta capacidade de relacionamento interpessoal.

Estes comportamentos são o primeiro passo para ser respeitado como um futuro ou futura líder da empresa. Este modelo profissional não deve partir apenas dos pais, mas dos próprios filhos. Lembre-se que a responsabilidade da carreira da pessoa é dela mesma e não de outra pessoa, ou dos pais.

Com este passo vencido o segundo passo é o desenvolvimento da liderança. Este deve ser feito pela aquisição contínua de conhecimentos, visão de mercado, passar por experiências dentro e fora da empresa e ter um mentor que te ajude a entender o seu contexto e facilite a sua travessia nesse caminho longo e na maioria das vezes turbulento.

Visitar empresas para aprender com as empresas que são referência no que fazem, conhecer as lições aprendidas e como lidaram com os desafios da área pode ser uma experiência diferenciada.

Mesmo assim não descarte os usos de mentoring, coaching e terapias quando necessário (por que não?)

O terceiro passo é identificar pessoas que te inspirem no tema de liderança para que você possa fazer reflexões contínuas até encontrar o seu próprio estilo de liderança. Não copie cegamente o estilo de outros líderes mesmo que você os admire.

Tem um outro passo que é muito importante:  o reconhecimento dos seus pais pelo seu trabalho.  Ao contrário do que muitos filhos pensam também é responsabilidade sua mostrar que é capaz e conquistar o seu espaço. Não adianta você reclamar que não é reconhecido pelos fundadores. Na maior parte das vezes o fato de não ser visto como um profissional capaz é somente uma questão de percepção e novamente você, é responsável por mudar esta percepção.

Você deve se perguntar: eu estou no caminho certo? Você saberá se está no caminho certo quando as pessoas começarem a te procurar para resolver problemas ou orientações em temas significativos. Elas irão te procurar por confiarem em você para ajudá-las a ter uma visão diferente, resolver um desafio complexo ou mesmo para respirar a segurança que você passa para as pessoas.

Reflita sobre isto.

Armando Lourenzo. Doutor e Mestre em Administração pela FEA USP. Diretor da Ernst & Young University. Presidente do Instituto Ernst & Young. Professor da FIA e Casa do Saber. Colunista da revista Você SA (versão digital). Mentor da revista Exame.  Palestrante. Autor de artigos e livros na área de negócios. Pesquisador no tema de Empresas Familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *