Amor pelo poder ou o poder do amor?

São Tomás de Aquino sugeriu que há dois tipos de política. A política do poder do amor e a política do amor ao poder.

Isto me faz pensar que possam existir líderes que tem amor pelo poder e outros que acreditem no poder do amor.

Tem uma questão que me acompanha durante toda a minha vida profissional:

Será que alguns líderes não têm apenas amor pelo poder?

É claro que temos de ter paixão, amor, propósito dentro do nosso trabalho para que ele deixe de ter o peso do trabalho comum e se transforme em uma atividade que tenha prazer e com significado.

A questão é que não podemos confundir amor com adoração. Adoração pode cegar e fazer com que pessoas em posições de liderança deixem de agir com a razão pelo simples fato de quererem fazer algo porque é importante somente para elas ou por um capricho individual.

Talvez um dos piores males dentro do ambiente corporativo seja a vaidade. Mas não a vaidade estética que é natural das pessoas. Os índios se pintam para celebrações, é natural.

Estou falando da pior parte da vaidade, na qual as decisões são unilaterais, autoritárias e têm sentido apenas para quem decide, mesmo achando que está fazendo o bem.

Sim, o bem na visão dele.

Quantas vezes você já foi prejudicado por uma decisão inconsequente e que muitas vezes não há m motivo racional. A justificativa real da decisão é: a decisão foi tomada porque sim, simples assim.

As decisões arbitrárias e baseadas no ego podem provocar consequências muito ruins para as pessoas. Mesmo que o líder ache que está fazendo bem. Esse pode ser o início dos ditadores.

Na liderança atual a regra de ouro não deveria ser tratar as pessoas como nós gostaríamos de ser tratados e sim como elas gostariam de ser tratadas.

Entendo que algumas decisões são tomadas pelo líder por diversas razões e claro compreensíveis.

Tome muito cuidado para não amar o poder e sim refletir sobre como os líderes podem decidir de forma mais coerente.

Neste caso penso que o poder do amor deve ser levado em conta e é um bom ponto de partida para reflexões dos líderes.

Reflita sobre isto.

Armando Lourenzo. Doutor e Mestre em Administração pela FEA USP. Diretor da Ernst & Young University. Presidente do Instituto Ernst & Young. Professor da FIA e Casa do Saber. Colunista da revista Você SA (versão digital). Mentor da revista Exame.  Palestrante. Autor de artigos e livros na área de negócios. Pesquisador no tema de Empresas Familiares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *