Existem critérios para a escolha do sucessor?

Uma grande dificuldade com a qual o fundador se defronta é a escolha de quem será o futuro comandante, o seu sucessor.

Diversos são os motivos para esse problema, levando assim os fundadores a evitarem pensar no problema da sucessão.

As dificuldades partem de vários pontos: como os herdeiros não estarem interessados na função ou mesmo a existência de uma disputa entre eles. Muitas forças atuam contra a escolha do sucessor: o fundador que resiste em se afastar, a esposa que se preocupa com uma possível divisão da família e os herdeiros que muitas vezes não querem demostrar vontade pelo cargo.

Algumas sugestões podem ser apresentadas visando a facilitação do processo como um todo:

  • Deve ser feito um perfil apropriado do dirigente para os próximos dez anos;
  • Não deve ser escolhido apenas um sucessor, pois este pode não assumir;
  • Os sucessores devem realizar atividades em equipe para assim se conhecerem no trabalho conjunto;
  • As pessoas de fora podem ajudar a escolher o sucessor ao fornecerem uma outra perspectiva;
  • Os candidatos devem ser treinados de forma objetiva, passando a eles um projeto para a criação de um produto real;
  • A família deve ser informada de tudo e participar de tal forma que forneça contribuições.

A fase da escolha do sucessor é provavelmente a mais difícil no processo, sobretudo quando a quantidade de sucessores potenciais é grande.

Portanto, a seleção deve estar ligada ao planejamento estratégico da firma. A partir dos objetivos, estratégias e metas estabelecidas, somados às qualificações desejadas para o futuro dirigente, pode-se escolher o sucessor sem a interferência de aspectos emocionais e com a possibilidade da lapidação do escolhido nos âmbitos de desenvolvimento e treinamento pessoal.

Além do critério do perfil estar adequado a visão estratégica um ponto importante relaciona-se as habilidades comportamentais para que a implementação das estratégias seja realizada e se tenha relacionamentos favoráveis com todas pessoas envolvidas com a empresa familiar como clientes, familiares, sócios, colaboradores etc.

  • Professor Armando Lourenzo: Doutor e Mestre em Administração pela FEA/USP. Diretor da Ernst Young University. Professor da FIA/USP/FGV.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *