Categoria: Sucessão

Desafios da segunda geração

Na primeira geração no comando três aspectos são relevantes para o sucesso das empresas familiares:  fundadores e fundadoras no comando, empreendedorismo e conflitos administrados pelos pais. Na segunda geração estes mesmos aspectos podem ser diferentes:  o empreendedorismo dos fundadores pode não existir (não é transmitido simplesmente pelo DNA), irmãos e

Conflitos, Processo Sucessório e Dimensões de Poder

As empresas familiares passam por muitos problemas, em nível de gestão e comportamentais, os quais acabam causando a redução de sua sobrevivência. Sendo assim, apenas um terço das empresas consegue realizar a troca de comando para a segunda geração e, deste número, aproximadamente cinquenta por cento chegam à terceira. Normalmente

Quem mais faz parte da sucessão?

Os problemas da troca de comando não estão apenas inseridos nas variáveis sucessores e sucedidos, influenciam também outros agentes externos e internos à empresa: bancos, gerentes profissionais, colaboradores, concorrentes, diretores que não fazem parte da família, esposas, amigos, fornecedores e investidores. Os colaboradores influenciam o processo na medida em que

Os sucessores e a transferência de poder

Com relação aos sucessores, diversos são os aspectos abordados e entrelaçados à própria gestão organizacional, incluindo nesta o processo sucessório. Inicialmente, duas visões são importantes com relação ao sucessor. A primeira é que os sucessores podem ser filho, filha, vários filhos, genros, noras, esposa e tantos outros membros de uma

O Desafio do Planejamento da Sucessão

Como mencionei no artigo anterior a sucessão é sem dúvida o maior desafio para as empresas familiares, sobretudo quando o ambiente familiar é conflituoso. O primeiro passo é fazer um plano que deve contar com a reflexão dos seguintes pontos: Preparação adequada dos sucessores. Administração de conflitos familiares. Descentralização do

A Sucessão na Empresa Familiar

Uma das principais dificuldades encontradas pela empresa familiar, no que tange a sua sobrevivência no longo prazo, é a transferência do poder do fundador para seus possíveis sucessores. E esta não pode ser encarada através de critérios totalmente objetivos, pois o processo sucessório é permeado por problemas comportamentais enraizados nos